Boa Tarde!

Nicole anda meio atarefada com as mil coisas dela, até bordado ela resolveu inventar! Vocês viram? hahahaha para quem não viu, vá na minha página do Facebook “Ovelha Bordadora” e no instagram "@ovelhabordadora", tem muitos bastidores bonitinhos hehehhe

Mas aqui é pra falar de foto, né? Pois bem, esse foi um dos trabalhos que fiz nesse meio tempo distante do blog :)
A praia estava nublada, mas tivemos sorte, começou a chover apenas quando acabamos as fotos. Acredito que isso não prejudicou tanto o trabalho, espero que vocês gostem <3

Nicole Zabukas.

Esse ano tive a oportunidade de ir para o Paraty em Foco, um grande evento internacional de fotografia! Ano passado fui e com certeza só tenho momentos bons para recordar, o que não foi muito diferente agora :)

Dessa vez fiquei apenas dois dias, mas tentei aproveitar o máximo que pude. Cheguei e fui ver algumas exposições, caminhei pela cidade para ver tudo o que eu teria para aproveitar. Foi assim que encontrei o pessoal da “Kombinacomfoto”, um projeto de fotografia itinerante na kombi! Pessoal super legal, passaram um trabalho super divertido e interessante, tínhamos que achar faces nas pedras das ruas de Paraty. E não é que saiu muita coisa legal?

Depois disso passei grande parte do tempo na Livraria Madalena, um lugar quase tão mágico quanto a livraria cultura, hahahaha. Por la vi o lançamento de alguns livros, inclusive o do fotógrafo João Ripper, quem tive a oportunidade de conhecer ano passado em um evento, ter meu portfólio avaliado por ele etc, foi um prazer poder reve-lo e comprar o livro “Imagens Humanas” que está maravilhoso.
Dentro os lançamentos, tinha o do fotógrafo Edu Monteiro, que também apresentou um trabalho que não me deixou resistir!

Dia seguinte acordei cedo para ver o encontro “Fotografia e direitos humanos”, um debate com André François, Marcelo Brodsky e João Roberto Ripper. Depois, um pouco mais de passeio pela cidade, visitei mais exposições e fotografei um pouco.
Outro encontro muito legal foi o “Geração Instagram”, onde Sérgio Branco e Juan Esteves entrevistaram os fotógrafos Alexandre Urch e Tuane Eggers! Mas não posso deixar de dizer que Arno Rafael Minkkinen fez minha viagem valar ainda mais a pena. Desde os 5min de apresentação eu já estava boquiaberta, estagnada com tudo o que estava passando na tela, com todas as coisas que ele falava. Com certeza, é um trabalho que vocês devem procurar e ir mais a fundo, é belo e sensível. E sabe o mais legal MESMO? É essa oportunidade que o evento da, de ter esse contato tão próximo com essas pessoas tão incríveis. Pude conversar com ele, e com certeza, vou levar as palavras dele comigo por muito tempo.

Espero que vocês tenham a oportunidade de ir à esse evento alguma vez, é enriquecedor demais.

Foto1: Lembranças que voltaram comigo para SP e livros que comprei.
Fotos: Nicole Zabukas.

Eita eita essa Nicole que só some!

Amo falar sobre foto, como dito mil vezes aqui. Adoro escrever, mas não é aquela coisa que é fácil e sai tudo bonitinho, sabe? hahahah então sempre bate essa lerdeza.

Esse final de semana fui a um evento muito legal! Na verdade, é o segundo no mesmo lugar, já fiquei de falar sobre o que encontrei por la da ultima vez e nada. Sou um leve desastre.
Estava um sol do mal, devo dizer, mas nem isso foi capaz de tirar minha paciência para passar em cada barraquinha devagar e vendo tudo o que tinham por la! Isso aconteceu na Vila Madalena, vários fotógrafos expunham seus trabalhos e vendiam suas fotografias. Gostaria de poder comprar todas que gostei, mas infelizmente a coisa não está la da mais fácil nessa vidinha, né, hhehehehe.
Uma das barraquinhas que mais me chamou atenção foi com trabalhos de nus. As fotos estavam longe do clichê, eram muito bonitas. Dois fotógrafos estavam la, eles me receberam muito bem, trocaram ideias, foram simpáticos, conversaram sobre o trabalho e tudo… Isso que eu acho mais legal, poder trocar conhecimento (na verdade eu que tava la aprendendo muito, né hahaha) e falar sobre o que mais gostamos.
Acabei comprando um livro e uma fotografia do fotógrafo Ale Ruaro! É um trabalho muito bonito, me identifiquei muito com a linguagem dele. Estava la também o fotógrafo Gustavo Luiz Pozza, apresentando 6 fotografias incríveis!

Ganhei uma fotografia da Milena Leonel, que apresentava por la também seu livro junto a mais dois fotógrafos, que estudaram a história de diversos prédios de São Paulo e registraram toda sua arquitetura.

Saindo de la, passei na Galeria Nikon, que tinha mostra “Anjos 80” do fotógrafo Renato dos Anjos.
Um pouco sobre abaixo:
“A Galeria Nikon apresenta, em São Paulo, a mostra Anjos 80, com 40 fotos inéditas do fotógrafo brasileiro Renato dos Anjos, feitas entre o fim dos anos 1970 e o início dos anos 1980, em clubs nova-iorquinos como o Studio 54 e o Club A. A lista de ícones do cinema, da música e da moda inclui nomes como Brooke Shields, Jack Nicholson, Catherine Deneuve, Mick Jagger, Frank Sinatra, Diana Ross e Valentino, entre outros.”
E nesse site vocês podem conferir algumas fotografias que estão por la
Link: http://brasileiros.com.br/2015/07/galeria-niko-abre-mostra-fotografo-renato-dos-anjos/

Espero que tenham gostado!

Boa tarde!

Talvez algumas pessoas não saibam, mas esse ano fui para Goiânia estudar Artes Visuais na federal de la, na FAV/UFG. Vivi coisas incríveis, o curso de artes abre nossa mente, faz a gente refletir muito. A aula que eu mais gostava era "Poéticas Contemporâneas", todos os trabalhos eram muito legais de serem feitos, ainda mais porque permitia fotografia e vídeo com mais frequência, hehe. Essas fotos são da performance de um grupo, o tema era "Interior/Exterior", usamos de base o capítulo IX - A dialética do Exterior e do Interior do livro "A poética do espaço", por Gaston Bachelard.
Espero que as fotos transmitam um pouco do que foi ver isso tudo ao vivo. Um prédio em construção/abandonado, todos os espaços sendo ocupados. O som, os gritos, os movimentos... tudo foi bem intenso.

Queria aproveitar esse post para agradecer todas as pessoas que tive a oportunidade de conhecer.
Morar em Goiânia e estudar la, apesar de gostar, não me completava. Não sentia a vontade de produzir e não estava feliz, sentia meus objetivos de verdade cada vez mais distantes... Fazer faculdade não era meu objetivo esse ano, pretendia estudar fora e buscar minha carreira como fotógrafa, mas passar na federal não deixa de ter sido uma conquista, e conseguir enxergar que não era o melhor para mim também foi.
Hoje eu começo uma nova parte da minha vida. Voltei para São Paulo e hoje já começo um novo curso. É federal? Não. Super renomada? Também não. Mas estou feliz. Vou estudar apenas dois anos, viver onde gosto, ter tempo para fotografar, sem contar os inúmeros trabalhos que já estão surgindo por aqui.

Queria poder trazer cada um de vocês para perto de mim, mas cada escolha a gente deixa algo "para trás", né? As amizades que eu fiz valem demais, aprendi MUITO com cada um. Ter ao meu lado tantas pessoas incríveis todos os dias, conviver com cabeças tão abertas, inteligentes e boas fez a minha estadia por la muito mais fácil. Cada um desse curso tem um espaço dentro de mim, principalmente as amizades que fiz. Foi um momento difícil da minha vida, mas graças a eles, tenho muitas lembranças boas, muitos momentos bons guardados.

Bom, não vou mais enrolar muito. Espero que vocês leiam isso e saibam o quanto sou grata por tudo. E ah, não pensem que se livraram de mim assim tão fácil, minhas férias tem lugar marcado já! Espero cada um de vocês aqui em SP, pra que eu mostre esse lugar tão bonito a cada um.
Estou aliviada por mais uma decisão tomada, mas meu coração já sente uma saudade enorme de vocês.

Olha quem está de volta!!!!!!

Na verdade, não vou fingir tanta empolgação porque estou escrevendo esse post pela segunda vez já que eu, muito esperta, fechei a página quando estava apenas colocando os links dos vídeos que eu ia indicar por aqui. Ótimo, não? hehe sou péssima pra escrever, me organizar e postar algo legal, demoro um pouco e agora estou muito triste que isso aconteceu, mas espero conseguir colocar aqui o mesmo conteúdo de antes e tão bom quanto.

Dei uma sumida porque esse mês foi um pouco complicado, resolvendo a vida, decisões sendo feitas e tudo... mas espero não ficar sumindo assim mais, gosto muito de falar aqui. Semana passada fotografei o making of de um comercial bem grande da Ford, assim que divulgarem as fotos eu posto aqui e conto como foi a experiência :)

Bom, acho que já comentei que sou apaixonada por livros, né? Ainda mais de fotografia! Minha coleção ainda é muuuuuito pequena, mas tenho muito orgulho dela, hahaha. Hoje vou falar sobre David LaChapelle, o fotógrafo desse livro.

Ele é americano, nasceu em 1963 e com 17 anos começou sua carreira na revista "Interview" de Andy Warhol, quem deu a ele essa primeira chance.
As fotos dele tem muita cor, são bem saturadas, geralmente tem muita informação em um mesmo quadro, são belas e ao mesmo tempo bizarras, levam humor e surrealismo.
Tudo em sua obra é muito bem pensado, cada detalhe, cada objeto, e é isso que eu mais gosto no trabalho dele. Cada vez que eu olho esse livro, acabo descobrindo coisas que antes não tinha reparado!

Já fotografou capas de CDs de artistas muito famosos, dirigiu clipes e vídeos. Um dos que mais gosto é esse que vou deixar o link para vocês, mas aconselho a procurarem mais pelo youtube e internet, porque existe muita informação sobre ele poraí.

Esse é um documentário sobre ele, não achei traduzido, mas acho que ainda assim vale muito a pena

E esse é um Making of de uma foto, vale MUITO a pena ver, é realmente incrível

Espero que tenham gostado,

Nicole Zabukas

Boa noite!

Fotografar eventos é sempre cansativo, mas aniversário de criança é bastante divertido. Tive o prazer de fotografar a Clarinha de novo, filha da minha prima, que é a coisa mais bonitinha! hahaha essas são algumas fotos da festa.

Espero que tenham gostado da dica do livro, já separei alguns que quero escrever sobre.

Nicole Zabukas

Tenho paixão por livros de fotografia, vou na Livraria Cultura da paulista e passo horas vendo e lendo todos os que me interessam, conhecendo fotógrafos novos, revendo os dos meus favoritos, lendo a mesma coisa que sempre leio quando vou... Um pequeno detalhe sobre livros de fotografia: $$$$$
Esse do Cartier-Bresson veio parar em minhas mãos basicamente por esse motivo. Estava eu, toda feliz matando a saudade da livraria após passar alguns meses estudando em Goiânia, encontro livros maravilhosos e vou ver o valor, quem sabe, por sorte, algum cabe no meu pequeno orçamento? Ops, tudo R$200+ heheh "tem esse aqui que eu gostei R$65,00". Me contentei.

São entrevistas e conversas que Cartier-Bresson teve ao longo de 43 anos. Engraçado que eu nunca tinha parado para ler entrevistas de muitos fotógrafos que admiro, mas vi que é muito, mas muito interessante mesmo.
Eu tenho uma coisa engraçada, gosto muito de fotografia documental e autoral, que são um pouco "distintas" uma das outras (não sei se é correto dizer assim, mas creio que dê para entender o que quero dizer). Lendo o livro me identificava com muitas coisas, e nessa época de decisões da vida me vi meio perdida ao me perguntar o que eu realmente gosto. Foi quando eu me deparei com essa pergunta e resposta: "A fotografia parece ser dividida em duas tendências: a que é 'feita' (encenada) e a que é 'tirada' (capturada)..." logo segue a resposta, "A vida parece a uma mesa de operações: tudo está agrupado, sua composição é sempre mais rica que a produzida pela imaginação. Todas essas imagens posadas, encenadas, sem o menor senso de forma, de dialética, essas heranças da moda e da publicidade, as fotografias de Richard Avedon, de Jean-Pierre Sudre, de David Hamilton, de Diane Arbus, de Duane Michals, os trabalhos recentes de Bruce Davidson, o que dizer sobre eles? Os autores dessas fotografias me interessam sob um ponto de vista sociológico e político, pois representam o resultado e a confusão de mundo à americana, um mundo que se dirige ao nada. Infelizmente, eles não revolucionaram nada, estão integrafos a essa sociedade em liquidação. Eles se parecem com esse mundo sem sexo, sem sensualidade, sem amor. Escatológicos e coprófagos, fotografam suas angústas, suas neuroses."
Enfim, eu amo os dois trabalhos e fiquei "como assim" hahahha mas todas as perguntas e respostas são mais que válidas, vale muito a pena.

Antes de postar eu estava "Falo sobre os dois livros novos? Posto sobre um? Três?" Tinha resolvido aceitar minha ansiedade e falar sobre três livros de uma vez, mas acabei já escrevendo bastante sobre um :)

Nicole Zabukas

Semana passada fotografei um evento aqui em Goiânia, foi simples, porém todo bonitinho. Foi um curso sobre Etiqueta Social! Esssas são apenas algumas fotografias do dia :)

Ando não atualizando muita coisa aqui devido correria da faculdade, mas jaja tem mais coisa nova e bem legal!

Nicole Zabukas.

Eu e a Pauline fomos para Pirenópolis fotografar a ganhadora da nossa promoção! Saímos de manhã e assim que chegamos começamos a fotografar, o lugar era lindo (vocês podem ver mais no instagram @pirenopolis). Depois fomos para a cachoeira, que é incrível, e para as paredes de pedras que ficam logo ao lado.

Me diverti bastante apesar de ainda sentir dificuldade com esse tipo de foto!

Espero que gostem :)

Para mais fotos vocês também podem acessar minha página no Facebook https://www.facebook.com/nicolezabukasfotografia

Nicole Zabukas

Quinta eu e a Pauline (https://paulinearroyo.carbonmade.com/) fomos para Pirenópolis fotografar a ganhadora da nossa promoção no Instagram! Logo logo posto algumas fotos que tiramos por la.

Quando chegamos no local eu olhei essas cadeiras e me pareceram interessantes, como estavam organizadas e tudo hahahha não foi nada sério, mas resolvi postar por aqui porque eu acabei gostando do que saiu, por mais que pareça bobo!

Jajá tem mais foto, e obrigada quem veio falar comigo sobre o "blog" e tem acompanhado o que posto aqui :)

Nicole Zabukas

Como disse no primeiro post, criei aqui para mostrar melhor meu trabalho e também para compartilhar coisas interessantes. Bom, hoje eu senti a necessidade de escrever sobre a questão da fotografia documental, sobre fotografar a pobreza, a guerra.

Esses dias parei e vi o documentário "O Sal da Terra" do Sebastião Salgado e me tocou demais. Eu chorei e senti extrema paz em 1h50min de vídeo.
Hoje fui procurar o documentário do James Nachtwey para mostrar à uma amiga, foi então que encontrei um debate dentro de um fórum de fotografia sobre "retratar a miséria". Tenho que admitir que nas primeiras vezes que me deparei com trabalhos assim não consegui entender e refletir sua importância, talvez por imaturidade... mas me impressionei com alguns argumentos encontrados no fórum, entretanto, achei a reflexão válida e que seria interessante compartilhar.

Essas são alguns dos questionamentos feitos por la
(http://forum.brfoto.com.br/topic/65136-james-nachtwey/):
“Será que esta foto teria o mesmo impacto se não fosse de uma situação tão dramática?”
"Imagine que se em vez de retratar pessoas em miséria e sofrimento, fossem apenas vasos de flores. Seria a mesma coisa?"
"Por que contemplar esse tipo de foto que mostra a desgraça, a pobreza, a morte, a dor na fotografia?"
"É algo que você vai ficar lembrando por muito tempo tal imagem negativa, e que na verdade, não existe na sua vida real, no seu dia-a-dia."
"Não há humanismo em fazer o trabalho pelo qual é pago."

Pela minha experiência consigo entender pelo menos um pouco do que essas fotografias podem gerar. Sentir vontade de ajudar, querer fazer a diferença, olhar para tudo o que você tem e valorizar, ver que ter uma cama e água para tomar é sim incrível.
Existem outras maneiras de isso ajudar alguém. Imagine. Em um dia difícil, estressante, tudo está mal. Você deita na sua cama. Fica feliz porque sabe que aquilo é uma oportunidade que você tem.
Isso para mim não me parece simples a partir do momento que nos dias de hoje TER TUDO é extremamente necessário. Se de 100 pessoas que vissem essas fotos, 2 mudassem seu pensamento para pelo menos passar a valorizar o simples, já é algo muito valioso.

Nunca me esqueço de um trabalho escolar que fiz. Estava no ensino fundamental, a gente recebia uma revista sobre grupos que ajudavam pessoas com dificuldade, deficiência ou que passaram por guerras.. Fiz sobre o genocídio em Ruanda. Tínhamos que fazer apresentações, falar sobre e defender o grupo que ajudou essas pessoas, para serem votados. Os vencedores ganhariam suporte para continuar fazendo seu trabalho (é o que eu me lembro, o que entendi na época haha).
Fiz um vídeo explicando o genocídio e completei com fotografias, me recordo até que a musica era "Knockin' On Heaven's Door" (versão Avril Lavigne, eu era uma criança, podemos relevar).
Certa fotografia nunca saiu da minha cabeça, e é essa segunda que está nesse post, com o homem brutalmente ferido no rosto.

Isso foi importante para mim. Me chocou sim, mas se reverteu em vontade de mudar.

Sou péssima para explicar meu ponto de vista e opinião, mas acho válido lerem o debate!
Vou deixar aqui uma lista de fotógrafos que seria interessante conhecerem, ainda mais para entender do que esse debate se trata.

-Josef Koudelka

  • Sebastião Salgado
  • Robert Capa
  • W. Eugene Smith
  • James Nachtwey

James Nachtwey no TedTalks falando sobre seu trabalho: http://www.ted.com/talks/james_nachtwey_s_searing_pictures_of_war#t-431673

Documentário sobre Sebastião Salgado: http://www.filmesonlinecompleto.net/o-sal-da-terra-dublado-2015/

Filme Fotógrafos de Guerra: https://www.youtube.com/watch?v=qzG_NjDXs_0

Nicole Zabukas

Como disse no post anterior, tive a experiência de fotografar balada pela primeira vez! Tenho que admitir que sofri bastante, principalmente no começo haha ainda mais porque quando esperam algo de mim eu simplesmente travo e tudo parece mais difícil do que realmente é... bom, depois de um tempo (vai, um bom tempo hehe) eu me toquei no que devia fazer pra melhorar e foi aí que alguma coisa saiu!
O mais legal é que no segundo dia já senti mais facilidade e hoje, depois de editar muitas das fotos, já percebi muitos erros e o que devo fazer nas próximas. Essa semana tem mais! Estou cansada até agora de toda essa coisa de chegar 4h da manhã em casa, mas ta tudo bem.

Hoje também comecei a fazer uma pesquisa para uma nova ideia que sempre quis fazer mas nunca fiz acontecer... espero que dê certo e laaaaa mais pra frente vai ter coisa bem legal!

Pra falar a verdade eu não pensava em montar um blog, ainda mais porque muitas das coisas posto na minha página do facebook, mas sempre tive vontade de ter algo meu para que eu pudesse falar sobre o que gosto, mesmo que ninguém leia, haha. Pretendo divulgar fotografias que não vão para o site, os projetos mais completos, compartilhar artistas que gosto e informações interessantes.

Vou começar com essas 4 fotos.
Em 2013 comecei o ensaio "Jardim do Silêncio" e sentia que gostaria de fazer ele para sempre, mas agora estou naquela fase "Será que devo parar?" haha mesmo assim quando encontro lugares como esses faço essas fotos, que para mim, são bem legais.

Esse dia foi bem engraçado, eu estava meio triste por não estar produzindo nada desde que me mudei para Goiânia, então eu e minha amiga Pauline (paulinearroyo.carbonmade.com) resolvemos ir ao Centro Cultural Oscar Niemeyer fotografar. Pegamos o ônibus eeeeeee? Descemos no ponto errado. Acabou que olhei uma piscina vazia e quis muito fazer uma foto la (a primeira), fomos entrando no lugar e passamos a tarde toda buscando fotos.

Já hoje vou viver uma experiência nova, fotografar uma balada! Para falar a verdade sempre fico nervosa antes de fotografar, ainda mais quando é algo novo e pessoas esperam muito de mim, mas vou e espero que dê tudo certo, assim que tiver fotos com certeza publico aqui.

Espero que gostem!

Nicole Zabukas